Santa Catarina

  • CRM-SC reforça falta de estudo e de eficiência comprovada sobre uso de ozônio contra Covid-19
    on 4 de agosto de 2020 at 16:25

    Prefeito de Itajaí disse que pode usar ozônio por via retal para tratamento do coronavírus. Especialistas dizem que não há eficácia comprovada. Prefeito de Itajaí quer tratar população com ozônio por via retal contra Covid Após o prefeito de Itajaí, no Vale, Volnei Morastoni (MDB), afirmar que existe a possibilidade de a cidade adotar a aplicação de ozônio por via retal como medida de tratamento contra a Covid-19 em pacientes confirmados e com sintomas, o Conselho Regional de Medicina (CRM) reforçou que não há comprovações científicas sobre a eficiência do uso e que são necessárias mais pesquisas sobre o assunto. O Conselho não detalhou se está ou não investigando a situação, pois o processo é sigiloso, mas reforçou a necessidade de haver comprovação científica da eficácia antes de ser usado. “A norma federal deixa claro que o seu uso benéfico em tratamentos clínicos ainda está longe de ser uma unanimidade positiva, já que o volume de estudos e trabalhos científicos adequados sobre a prática ainda é incipiente e não oferece as certezas necessárias”, afirma o CRM em nota. Segundo o CRM-SC, uma resolução do Conselho Federal de Medicina proíbe a prescrição de ozonioterapia em consultórios e hospitais. “A exceção pode acontecer em caso de participação dos pacientes em estudos de caráter experimental, com base em protocolos clínicos e critérios definidos pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa”, diz o CRM em Nota. Ainda segundo o CRM, o mesmo documento ressalta que não há comprovação sobre os benefícios da técnica para tratamento de doenças e que sempre é necessário validação por parte do órgão federal. “O CRM-SC esclarece que todas as formas de tratamento, não apenas relacionados à Covid-19, devem ser validados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM)”, informou. A técnica da ozonioterapia foi rechaçada por especialistas ouvidos pelo G1por não ter eficácia comprovada contra o coronavírus. No entanto, o prefeito de Itajaí, que é médico, defende o uso. “É uma aplicação simples, rápida, de dois ou três minutinhos por dia, provavelmente vai ser uma aplicação via retal. É uma aplicação tranquilíssima, rapidíssima de dois minutos com cateter fino, e isso dá uma resultado excelente”, disse Morastoni, que também é pediatra e homeopata. As declarações do prefeito foram feitas durante uma transmissão ao vivo realizada em uma rede social oficial da administração municipal. A ozonioterapia é uma técnica antiga, porém, ainda considerada experimental pelo Conselho Federal de Medicina. Ela consiste no uso de uma mistura de ozônio e oxigênio para aumentar o fluxo sanguíneo. Não há evidências científicas que permitam seu uso médico no Brasil, de acordo com o conselho. Segundo o prefeito de Itajaí, trata-se de uma “nova etapa” de ação de combate ao vírus na cidade, que inclui a ingestão de cânfora, tanto de maneira preventiva quanto para os casos já positivados. Morastoni cita também a continuidade do tratamento com o medicamento antiparasitário ivermectina e do antibiótico azitromicina. A ivermectina, medicamento antiparasitário, também não tem comprovação científica de eficiência contra a Covid-19, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Morastoni disse ainda que a prefeitura se inscreveu no Conselho Nacional de Pesquisa e Ética (Conep), ligado ao Ministério da Saúde, com o objetivo de conseguir autorização para ter um ambulatório de ozônio, com aparelhos e kits necessários para a aplicação, “adotando o protocolo nacional de pesquisa”, segundo ele. Initial plugin text Veja mais notícias do estado no G1 SC

  • VÍDEOS: Jornal do Almoço de terça-feira, 4 de agosto
    on 4 de agosto de 2020 at 16:07

    Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Santa Catarina. Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Santa Catarina.

  • Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis abre inscrições para edital de apoio ao audiovisual
    on 4 de agosto de 2020 at 15:37

    Nona edição do Prêmio Armando Carreirão terá 24 projetos vencedores contemplados. A Prefeitura de Florianópolis, por meio do Fundo Municipal de Cinema (Funcine), abriu inscrições para o 9º Edital de Apoio ao Audiovisual Armando Carreirão. Serão premiados 24 projetos, divididos em quatro categorias Os projetos podem ser inscritos até o dia 17 de setembro, às 13h, por estabelecimentos ou residentes em Florianópolis há pelo menos dois anos. As premiações são R$ 120 mil para desenvolvimento, R$ 640 mil para produção, R$ 50 mil para formação e R$ 90 mil para difusão. Neste ano, as inscrições poderão ser feitas de maneira online, em função da pandemia de Covid-19. Os interessados podem acessar o edital e acompanhar todas as etapas do processo no site do Funcine. A verba poderá ser utilizada na realização e execução dos trabalhos vencedores. O edital vai premiar projetos de desenvolvimento de longas e séries (roteiros), curtas-metragens de diretor estreante e não estreante, mostras de filmes florianopolitanos, publicações de revisitas eletrônicas de crítica cinematográfica, eventos de formação, entre outros. Fundo Municipal de Cinema da Prefeitura de Florianópolis lança edital de apoio ao audiovisual Divulgação Incentivo à cultura Nas oito edições anteriores dos Editais Armando Carreirão, já foram possibilitadas as produções de mais de 40 filmes, o que ajudou a colocar a cidade em destaque na criação de conteúdos do segmento. Segundo a prefeitura, Florianópolis possui o Fundo Municipal de Cinema mais antigo do país, instituído em 1989, e importantes festivais como a Mostra de Cinema Infantil e o Florianópolis Audiovisual Mercosul, festivais consolidados nacional e internacionalmente em mais de duas décadas de existência, completando a cadeia produtiva do município, desde o fomento até a exibição. ‘Documentário’ foi feito com recursos do edital Armando Carreirão Funcine/Divulgação Veja outras notícias do estado no G1 SC

  • Mulheres são agredidas com cassetete por policial militar em apartamento de Lages; VÍDEO
    on 4 de agosto de 2020 at 14:15

    Caso foi registrado durante a noite de segunda-feira. Segundo a corporação, o caso ocorreu fora do âmbito profissional, pois o policial está afastado do trabalho por pertencer ao grupo de risco da Covid-19. Policial teria invadido apartamento de estudantes em Lages Um policial militar agrediu com um cassetete mulheres que estavam reunidas por volta das 22h dentro de um apartamento no bairro Coral em Lages, na Serra catarinense. A ação foi gravada em dois vídeos que foram divulgados nas redes sociais na noite de segunda-feira (3). A Polícia Militar informou que o caso ocorreu fora do âmbito profissional, pois o policial está afastado do trabalho por pertencer ao grupo de risco da Covid-19. A corporação também informou que determinou a instauração de um procedimento interno para apurar o caso. As imagens mostram o policial discutindo com as mulheres e batendo com o cassetete sobre a mesa. Um dos registros mostra o policial desferindo golpes no rosto, nas costas e nos braços das jovens. As agressões começam depois que uma mulher entra no apartamento e tenta tirar o celular de uma das jovens, que gravava a ação. Segundo relatos das vítimas, a discussão começou porque as mulheres comemoravam a aprovação do Trabalho de Conclusão de Curso da universidade. Quatro delas são moradoras do apartamento, e uma quinta jovem estava no local. Um boletim de ocorrência foi registrado. Em nota, o comando da Polícia Militar em Lages afirmou que, assim que ficou sabendo do caso, determinou a instauração de um procedimento correcional competente para a apuração. Ainda afirma que considera um fato isolado, que não condiz com a formação dos policiais catarinenses, e ressalta que não “coaduna com qualquer conduta irregular, bem como violência contra a mulher”. O G1 tentou falar com a defesa do agressor, mas até esta publicação não conseguir localizar. Veja outras notícias do estado no G1 SC

  • VÍDEOS: Bom Dia SC desta terça-feira, 4 de agosto
    on 4 de agosto de 2020 at 11:46

    Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Santa Catarina. Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Santa Catarina.

  • Prefeito de Itajaí quer tratar população com ozônio por via retal contra Covid-19; técnica não tem eficácia comprovada no combate ao coronavírus
    on 4 de agosto de 2020 at 10:54

    Em transmissão ao vivo realizada em uma rede social da prefeitura, Volnei Morastoni (MDB) afirmou que medida pode ser adotada em pacientes que testaram positivo e desenvolveram sintomas. Especialistas consultados pelo G1 rechaçam a proposta. Prefeito de Itajaí quer tratar população com ozônio por via retal contra Covid O prefeito de Itajaí, no Vale, Volnei Morastoni (MDB), afirmou na noite desta segunda-feira (3), que existe a possibilidade de a cidade adotar a aplicação de ozônio por via retal como medida de tratamento contra a Covid-19 em pacientes confirmados e com sintomas. A técnica, entretanto, não tem eficácia comprovada contra o coronavírus e foi rechaçada por especialistas consultados pelo G1. “É uma aplicação simples, rápida, de dois ou três minutinhos por dia, provavelmente vai ser uma aplicação via retal. É uma aplicação tranquilíssima, rapidíssima de dois minutos com cateter fino, e isso dá uma resultado excelente”, disse Morastoni, que também é médico pediatra e homeopata. As declarações do prefeito foram feitas durante uma transmissão ao vivo realizada em uma rede social oficial da administração municipal. Initial plugin text “A pessoa tem que fazer durante 10 dias seguidos, são 10 sessões de ozônio, e isso ajuda muitíssimo, provavelmente, os casos de coronavírus positivo”, completou Morastoni. A ozonioterapia é uma técnica antiga, porém, ainda considerada experimental pelo Conselho Federal de Medicina. Ela consiste no uso de uma mistura de ozônio e oxigênio para aumentar o fluxo sanguíneo. Não há evidências científicas que permitam seu uso médico no Brasil, de acordo com o conselho. Ao G1, a infectologista Sabrina Sabino disse que não existe nada no âmbito científico que aponte para o uso da ozonioterapia no tratamento da Covid-19. “Infelizmente não há evidências que o ozônio vá tratar ou prevenir a Covid-19″, afirmou Sabino, que é professora de Furb (Universidade Regional de Blumenau) e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia. Não existe embasamento científico que sustente esta prática. Precisamos parar com achismos, precisamos de apoio dos governantes para que a ciência possa ser nossa aliada. Estamos diariamente buscando estudos, buscando pesquisas pra o tratamento da Covid-19. Então peço para que nos deixe trabalhar”, disse a especialista. O G1 também consultou o médico infectologista e professor da Faculdade de Medicina da Unesp, Alexandre Naime Barbosa sobre a técnica defendida pelo prefeito. “Todos esses tratamentos alternativos são uma cortina de fumaça para que se tire a atenção do que realmente importa que é o controle com as medidas que tem eficácia reconhecida na ciência, que é o isolamento social na medida do possível, uso de máscara, distanciamento social, lavagem das mãos e testagem em massa com o melhor teste que é o PCR. Então, os políticos e médicos que ficam publicizando tratamentos sem eficácia, eles querem manchete, eles querem holofote na mídia, e desviar a atenção do que realmente tem eficácia contra a Covid-19, que infelizmente acaba tendo efeito colateral de serem impopulares, as que realmente funcionam”, afirmou Barbosa. “A proposta do aplicação de ozônio via retal se soma a uma série de tratamentos sem comprovação científica contra a Covid-19, assim como a hidroxicloroquina, a ivermectina, a nitazoxanida e tantas outras propostas que beiram o obscurantismo. O verdadeiro charlatanismo, curandeirismo, por parte de muitos políticos e até, vezes por médicos, às vezes por ingenuidade, às vezes por má fé, acabam sugerindo, embarcando, publicizando, medidas de tratamento que não tem eficácia na ciência”, completou. Segundo o prefeito de Itajaí, trata-se de uma “nova etapa” de ação de combate ao vírus na cidade, que inclui a ingestão de cânfora, tanto de maneira preventiva quanto para os casos já positivados. Morastoni cita também a continuidade do tratamento com o medicamento antiparasitário Invermectina e do antibiótico Azitromicina. A ivermectina, medicamento antiparasitário, também não tem comprovação científica de eficiência contra a Covid-19, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Morastoni disse ainda que a prefeitura se inscreveu no Conselho Nacional de Pesquisa e Ética (Conep), ligado ao Ministério da Saúde, com o objetivo de conseguir autorização para ter um ambulatório de ozônio, com aparelhos e kits necessários para a aplicação, “adotando o protocolo nacional de pesquisa”, segundo ele. O Conselho Regional de Medicina (CRM-SC) também reforçou a falta de estudos que comprovem a eficiência do uso do ozônio contra doenças. Veja mais notícias do estado no G1 SC

  • PF cumpre mandados de busca em operação contra fraude nos Correios; investigação começou em SC
    on 4 de agosto de 2020 at 10:31

    Ação é realizada na manhã desta terça-feira em São Paulo e Rio de Janeiro. Investigação aponta prejuízo estimado de R$ 94 milhões ao patrimônio público. PF realiza operação contra fraudes milionárias nos Correios A Polícia Federal em Santa Catarina cumpre, na manhã desta terça-feira (4), 12 mandados de busca e apreensão em São Paulo (SP), Praia Grande (SP), São Vicente (SP) e Rio de Janeiro (RJ), em residências de investigados e sedes da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT). As ações integram a Operação Postal Off, que começou em setembro de 2019, que busca desarticular organização criminosa suspeita de subfaturar valores devidos à EBCT, além de desviar para si grandes clientes no seguimento de postagem de cartas comerciais. Segundo a PF, durante os trabalhos no Rio de Janeiro foram apreendidos cerca de R$ 3,5 milhões em espécie em um endereço de um dos investigados. Até as 9h30 não foi divulgado o balanço da operação. Conforme a PF, a investigação aponta prejuízo estimado de R$ 94 milhões ao patrimônio público. São investigados os crimes de corrupção passiva e ativa, estelionato, violação de sigilo funcional e formação de organização criminosa. Dinheiro apreendido no endereço de um dos investigados no Rio de Janeiro PF/ Divulgação Nesta fase da operação, segundo a PF, foi identificada a suspeita de participação de um empresário titular de agências franqueadas dos Correios e de sete funcionários da referida empresa pública, que auxiliavam nas postagens ilegais e subsidiando interesses empresariais do grupo criminoso. Também foram expedidos mandados de afastamento de funcionários dos Correios de suas funções e deferidas medidas cautelares diversas da prisão, que determinam aos investigados restrições ao direito de ir e vir, bem como o compromisso de comparecimento a todos os atos do inquérito policial e de eventual processo criminal, sob pena de decretação de prisão. Os Correios informaram que estão colaborando ativamente com as autoridades policiais nas investigações da Operação Postal Off 2. “Os Correios reafirmam o seu compromisso com a ética, a integridade e a transparência”, disse por meio de nota. Investigação A investigação teve início em novembro de 2018 no estado catarinense, a partir do primeiro indício de crime encontrado. De acordo com a PF, é investigada a participação ativa de funcionários dos Correios, que teriam feito com que grandes cargas dos clientes fossem distribuídas no fluxo postal sem faturamento ou com faturamento muito inferior ao devido. O atuação do grupo ocorria nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Na primeira fase da operação, foram deferidas medidas cautelados de bloqueio de bens dos investigados, como carros de luxo, iate, um avião, imóveis de alto padrão e contas bancárias com altos valores em depósito, de aproximadamente R$ 55 milhões. Segundo a PF, utilizado para recuperar parte dos prejuízos aos cofres públicos. Polícia no Rio de Janeiro cumprem mandados na primeira fase da Operação “Postal Off” Reprodução/ Globo Veja mais notícias do estado no G1 SC

  • PF do Rio apreende R$ 3,5 milhões na casa de investigado em fraude nos Correios
    on 4 de agosto de 2020 at 10:18

    Segunda fase da Operação Postal Off 2 cumpriu mandados no Rio e em SP. Esquema envolve subfaturamento de remessas. PF realiza operação contra fraudes milionárias nos Correios A Polícia Federal (PF) iniciou nesta terça-feira (4) a segunda fase da Operação Postal Off, que começou em setembro de 2019 em Santa Catarina e investiga fraudes nos Correios — grandes cargas eram distribuídas sem faturamento ou com faturamento inferior ao devido. Na casa de um dos suspeitos, na Barra da Tijuca, policiais apreenderam cerca de R$ 3,5 milhões em espécie. Nesta fase, segundo a PF, foram identificados indícios de participação de um empresário titular de agências franqueadas e de sete funcionários dos Correios, que atuavam auxiliando nas postagens ilegais. Equipes saíram da Superintendência da PF no Rio, na Praça Mauá, no fim da madrugada, para cumprir seis mandados: Um na Barra; Um Realengo; Dois na sede dos Correios, na Cidade Nova; Um na Freguesia Um na Gardênia Azul. Dinheiro apreendido na casa de suspeito na Operação Postal Off 2 Reprodução Policiais cumpriam ainda mandados de busca e apreensão em São Paulo, Praia Grande (SP) e São Vicente (SP). Também foram expedidos mandados de afastamento de funcionários dos Correios de suas funções. Em ambas as fases a investigação contou com a colaboração da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Agentes da PF cumprem mandados de busca e apreensão na sede do Correios no RJ Reprodução / TV Globo A Operação Postal Off Na primeira etapa, em 6 de setembro de 2019, a PF cumpriu 12 mandados de prisão — no RJ, o empresário e advogado Indio da Costa, ex-deputado federal, ex-vereador e ex-secretário do Rio, foi preso. A PF afirma que a organização criminosa subfaturava valores devidos à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT), além de desviar para si grandes clientes no seguimento de postagem de cartas comerciais. O esquema, segundo a PF, causou um prejuízo ao patrimônio público estimado em R$ 94 milhões. Parte foi recuperada com o bloqueio de bens dos investigados, como carros de luxo, um iate, um avião, imóveis de alto padrão e contas bancárias com altos valores em depósito — os bens somam R$ 55 milhões.

  • Número de casos de Covid-19 aumenta 200% em crianças e adolescentes em SC em julho, diz pesquisa
    on 4 de agosto de 2020 at 08:45

    Professor destaca que velocidade do contágio do vírus nos mais jovens é maior do que nos meses anteriores. Estudo é da UFSC. SC tem 88,8 mil casos e 1.196 mortes por Covid-19 Estudo do Núcleo de Estudos de Economia Catarinense (Necat) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) apontou que o número de novos casos de coronavírus no estado cresceu mais de 200% entre crianças e adolescentes no mês de julho no estado. O boletim, publicado nesta segunda-feira (3), trouxe a informação de que o aumento no mês passado foi maior nas faixas etárias entre 0 e 19 anos e também na dos idosos entre 60 e 79 anos. O coordenador do Necat, professor Lauro Mattei, destacou que a velocidade atual do contágio do vírus na faixa de idade de crianças e adolescentes não existia nos meses anteriores. Dados de todas as faixas etárias A pesquisa comparou os registros de casos nos boletins do governo do estado entre 2 e 30 de julho. Os maiores aumentos foram nas seguintes faixas etárias: 70 a 79 anos – crescimento de 210% 60 a 69 anos – aumento de 207% 0 a 9 anos – aumento de 206% 10 a 19 – aumento de 204% 90 anos ou mais – 194% 80 a 89 anos – 184% 50 a 59 anos – crescimento de 184% 20 a 29 anos – aumento de 179% 40 a 49 anos – aumento de 178% 30 a 39 anos – crescimento de 17% Número de casos de Covid-19 por faixa etária – comparação entre 2 de julho e 30 de julho Reprodução/Necat Crianças e jovens Em números absolutos, o crescimento no número de casos na faixa de 0 a 9 anos foi de 735 em 2 de julho para 2.250 em 30 de julho. No grupo entre 10 e 19 anos, o salto foi de 1.362 casos em 2 julho para 4.145. Na comparação com 1º de junho e 1º de maio, a faixa de 0 a 9 anos tinha 240 e 23 casos, respectivamente. Já a de 10 a 19 anos, 402 e 36, respectivamente. “A doença está se espalhando por todas áreas. A epidemia está instalada em Santa Catarina e as crianças convivem com os adultos”, disse o professor. “Esse cenário de contaminação das crianças contradiz o que se dizia no começo, que eram mais os idosos os mais vulneráveis. O vírus não está escolhendo mais ninguém, a contaminação está tendo uma aceleração em todas as faixas etárias”, completou Mattei. Julho com destaque negativo Para o professor, um dos destaques negativos de julho no estado foi o aumento da média de casos por dia. “Por isso Santa Catarina está um pouco no destaque nacional, está num ritmo acelerado de contaminação. O mês de julho foi o diferencial”, disse. “Até final de junho, Santa Catarina não aparecia em destaque nacional. Na segunda quinzena de julho, esse número diário de novos casos explodiu em Santa Catarina”, completou o professor. MÉDIA MÓVEL: Veja como estão os casos e mortes no seu estado Mattei não faz previsões para o futuro da situação da doença no estado. “Impossível saber até quando vai isso. Nós estamos completando cinco meses desse cenário. Nesses cinco meses, no quinto mês a coisa explodiu. As medidas de controle de doença não têm sido suficiente”, afirmou ele. De acordo com o boletim mais recente do governo do estado, divulgado na noite de segunda, Santa Catarina tem 88.889 mil casos confirmados de coronavírus, com 1.196 mortes. A taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na rede pública do estado é de 82,1%. Santa Catarina passou de mil mortes por Covid-19 em 29 de julho, pouco mais de quatro meses após o primeiro óbito pela doença. Os idosos são 75% dos que mais morrem, mas a coronavírus já matou catarinenses de todas as idades, principalmente homens, que representam 60% das 1.002 vítimas. Alerta para governo do estado No final de julho, pesquisadores da UFSC da área da saúde pública enviaram uma carta aberta ao governador do estado, Carlos Moisés, sobre o combate à Covid-19. No documento, eles avaliam as ações do governo estadual e oferecem caminhos. Os professores defendem ações como ampliar a testagem, repensar a regionalização da gestão de saúde, reconstruir o grupo de enfrentamento à pandemia, entre outras estratégias. No documento, os especialistas também acrescentaram uma contribuição para se pensar em um plano de contingências caso haja a necessidade de adoção de lockdown. Além disso, os pesquisadores se colocaram à disposição para ajudar em análises, discussões e planejamento de políticas de combate à doença. Initial plugin text Veja mais notícias do estado no G1 SC

  • SC deve ter terça-feira ensolarada e com tarde quente
    on 4 de agosto de 2020 at 08:31

    Amanhecer deve ter temperaturas mais amenas, mas massa de ar seco garante mais calor à tarde. Confira como fica o tempo em Santa Catarina A terça-feira (4) deve ter amanhecer mais frio, mas tarde quente. Segundo a Central NSC de Meteorologia, deve haver domínio total de uma massa de ar seco, que garante essa variação de temperatura. Amanhecer em Criciúma Marli Marquardt Leite O dia deve ser ensolarado, com exceção de alguns pontos de nevoeiro no amanhecer. O vento deve ser Nordeste, com algumas rajadas principalmente no litoral Sul no decorrer do dia. As máximas devem atingir 22°C na Serra, 25°C na Grande Florianópolis e no Vale do Itajaí, 26° no Norte e Sul e 27°C no Oeste. Veja mais notícias do estado no G1 SC